Authors Posts by Redação

Redação

6073 POSTS 2 Comentários

Sérgio Freitas Teixeira / AgoraMadeira

São recordes e mais recordes batidos no número de pessoas desempregadas no país e também na Madeira. Números assustadores que chegam a todas faixas etárias, estratos sociais e graus de escolaridade. Não há regra!

Independentemente do grau de sensibilidade de cada pessoa, sentir o desemprego na “pele” é sempre diferente do que falar dele.  Não colocando este flagelo no nível mais alto de preocupação, ou seja, quando gera pobreza, nos outros casos, em que continua a haver margem – ainda que mínima – para viver o dia-a-dia, só a simples palavra “desemprego” continua a motivar as mais variadas reacções por parte da nossa sociedade.

É fácil perder o ânimo num País sem oportunidades e em que ter mais de 35 anos não é sinónimo de experiência curricular, mas condição para ficar de parte, fora do mercado de trabalho, fora dos estágios. Mas, nem por sombras, acredito nas teses que oiço não raras vezes a apontar para desempregados fechados em casa sem nada para fazer ou, coitadinhos, escondidos com vergonha.

O que vejo, transportando da realidade à minha volta, são pessoas válidas que conciliam desemprego com programas de ocupação não remunerados, gente que pratica voluntariado, gente que se esforça por melhorar o currículo e fazer formação. E de que vale isso neste País?

É por isso que a revolta eclode quando se ouve falar em emigrantes que morrem longe, sem o apoio da família e quaisquer condições. O Emanuel morreu sozinho em Angola e por lá ficou. O José apanhou uma pneumonia fatal, a apanhar árvores para sustentar a família. Era engenheiro de formação e com experiência. E de que vale isso no nosso país?!

0

O madeirense Miguel Encarnação partiu hoje bem cedo de Sória com destino a Barcelona, no segundo dia de viagem rumo à Croácia na Vespa PX 200. Pela frente estão altas temperaturas a rondar os 40 graus!

Na primeira etapa realizada ontem foram cumpridos 675 quilómetros feitos a rodar desde as 8.30 horas, com a chegada a Sória a acontecer por volta das 20.44 horas.

Miguel Encarnação vai representar a Madeira no “Vespas World Days 2015″, evento mundial de grande mobilização dos amantes desde “clássico” das duas rodas e que tem uma forte componente turística e que se realiza dentro de dias na Croácia. Uma viagem com a distância total de 4000 quilómetros.

 

 

0

Para este sábado o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) colocou o arquipélago da Madeira sob o aviso amarelo devido à previsão de vento forte, com rajadas que podem chegar aos 90 quilómetros por hora e a aguaceiros que podem ser acompanhados de trovoada.

aeroporto
FOTO Arquivo

O aviso vai estar em vigor até às 15h00, mas durante a manhã foi o sol quem falou mais alto, com as famílias madeirenses a aproveitarem o bom tempo para passear junto ao mar e muita gente a manter a habitual prática de exercício nas promenades do Lido e Caniço.

Em Santa Cruz, apesar do sol, perduram os ventos fortes, com o aeroporto da Madeira a estar condicionado pelo segundo dia consecutivo. Mais de duas dezenas de ligações foram canceladas esta manhã, avançou a Lusa.

Segundo a mesma fonte,  este sábado foi cancelada a partida do TP 1718 que tinha como destino o Porto. A Transavia France também “decidiu cancelar” os voos que tinha programados para a manhã, o mesmo acontecendo com a British Airways que não vai realizar o voo que tinha chegada prevista à Madeira às 13h05.

0

O madeirense Miguel Encarnação já chegou a Espanha! Na companhia do amigo António Rocha, o “vespista” da Madeira saiu de Aveiro bem pela manhã e por volta do meio-dia já estava a atravessar a fronteira rumo a Espanha.

A viagem está, até agora, a decorrer com toda a normalidade, esperando-se que sejam percorridos no decorrer do dia de hoje cerca de 600 km com a primeira paragem a estar prevista na localidade de Sória, em Espanha.

Recorde-se que Miguel Encarnação (Vespa PX200) vai representar a Madeira no “Vespas World Days 2015″, evento mundial de grande mobilização dos amantes desde “clássico” das duas rodas e que tem uma forte componente turística e que se realiza dentro de dias na Croácia. Uma viagem com a distância total de 4000 quilómetros.

0

O judoca do Clube Naval do Funchal Leonardo Azevedo conquistou um terceiro lugar na Taça da Europa de Cadetes que se realizou no último fim de semana em Coimbra. Um pódio que foi alcançado na categoria de -81 kg e que pode significar o apuramento para o próximo Campeonato da Europa de Judo.

“Este resultado era muito importante para o Leonardo. Foi o primeiro pódio em provas internacionais e por ter subido no ranking, e pelas minhas contas, acredito que vai ser possível ele estar no Campeonato da Europa de Cadetes que se realiza daqui a três semanas”, realçou o treinador César Nicola que descreve os combates do navalista:

“No início apanhou um espanhol e apesar de estar um pouco nervoso conseguiu vencer por ippon. Nos quartos de final defrontou um holandês e perdeu por ippon. Depois foi repescado, combateu com um espanhol muito forte e num combate muito tático acabou por levar a melhor, vencendo por ippon. Tendo em vista o terceiro lugar do pódio, mediu forças com outro espanhol, um combate muito disputado, que foi ganho com pontuação máxima”, analisou o experiente técnico.

César Nicola não tem dúvidas do potencial do judoca. “O Leonardo sempre foi um atleta com grande potencial. Está a progredir bastante bem, só lhe falta mais rodagem competitiva que é a lacuna dos nossos judocas da Região”, admitiu.

Na Taça da Europa de Cadetes o CNF também esteve representado por Francisco Freches (-66 kg), que acabou por perder logo no primeiro combate.

0

Após a realização de três travessias a nado entre a ilha da Madeira e as ilhas Desertas, nomeadamente, o ‘Desafio no Atlântico – Travessia entre Reservas’ em Agosto de 2006 (pelos nadadores Duarte Mendonça, Miguel Arrobas e Nuno Vicente), a travessia individual em Setembro de 2010 pelo norte-americano David Yudovin e o ‘Swim Challenge Madeira-Desertas’ em Julho de 2013, o Iate Clube de Santa Cruz, organiza a quarta travessia denominada “Santa Cruz – Desertas Natural Swim”, inserida nas comemorações dos 500 anos do Concelho de Santa Cruz.

O evento começou com uma reunião geral entre a organização e os nadadores na passada terça-feira onde foram explicadas as questões de segurança e de logística da prova. A realização da travessia estava inicialmente marcada para este fim-de-semana, mas verificadas as condições meteorológicas ficou assente que não estavam reunidas as condições mínimas para a realização da mesma.

Na base desta decisão esteve a intensidade do vento e alguma ondulação naquela zona, tendo então a travessia sido adiada para a próxima quarta-feira (10 de Junho), com a partida a estar marcada para às 8.30 da manhã, na marina de Santa Cruz, estando prevista a chegada do primeiro nadador às Desertas, entre às 14h e 15h.

Esta quarta edição conta com a participação de 17 nadadores: Colin Hill (Chillswim-Inglaterra); Carla Patrícia, Mafalda Freitas, Frederico Silva e Sérgio Pereira (Clube Naval Funchal), Catarina Alves, Paulo Silva, Humberto Gonçalves, Aurélio Góis, João Pereira, Duarte Paulini e Emanuel Gonçalves (Nacional), Pedro Sousa e Ricardo Jardim (Juventude Atlântico Clube), Carolina Ornelas (Clube Naval Porto Santo) Marco Silva (Ludens Clube Machico) e Mário Bonança (Sporting Clube Portugal).

O público em geral, poderá acompanhar em direto a prova através do endereço: http://lt.flymaster.net/bs.php?grp=611 ou através do site do evento: http://santacruzdesertasnaturalswim.iateclubesc.com.

0

Rui Alves ainda não tomou posse nas novas funções mas o discurso sobre os apoios que o Governo Regional atribui ao futebol profissional já está bem assente.

O Nacional tem novamente Rui Alves no comando e o novo presidente alvi-negro voltou a defender publicamente um novo olhar do Governo Regional ao futebol profissional ao mais alto nível que, segundo o próprio, só traz benefícios à Região.

“A única atividade desportiva que dá lucro efetivo é um clube da Madeira disputar a Primeira Liga portuguesa e o União da Madeira, que subiu este ano, vai custar menos ao Governo Regional do que custava no ano passado na Segunda Liga. Para chegar a essa conclusão não é preciso ser licenciado em Matemática”, adiantou, garantindo: “O União na Primeira Liga dá lucro à Região”.

Rui Alves diz mesmo que o novo executivo madeirense devia dar agora mais atenção ao retorno que cada clube dá à Região.

“É fácil ao Governo Regional ter uma empresa do exterior que diga quanto vale a Marca Marítimo da Madeira, a Marca União da Madeira e a Marca Nacional da Madeira para a Região. Tudo para que se trabalhe em análises feitas por especialistas em vez de cada um chutar um número conforme lhe apetece.”

Voltando a lembrar que o orçamento do Governo Regional representa apenas 30 por cento do orçamento do Nacional na Primeira Liga, o novo presidente alvi-negro pede ainda mais atenção a outro assunto que considera importante.

“NÃO É POSSÍVEL GERIR O FUTEBOL PROFISSIONAL ANO A ANO”

“Não é possível gerir o futebol profissional ano a ano. Quando falamos em ativos, estes não existem. Eles só existem se houver contratos de três/quatro anos, por isso qualquer medida que seja feita sobre as receitas do futebol profissional que tenham efeito imediato, não têm efeito imediato nos contratos que os clubes têm com os seus profissionais, que vão ter de assumir esses encargos. Mas se não conseguirem cumprir…”

E continua. “Neste momento existe uma dupla dimensão na participação desportiva: existe a participação por mérito e a participação por via do fair-play financeiro, por isso quando vejo se darem muitas palmas cada vez que se dá dinheiro ao desporto…”

0

O União da Madeira informou, esta quinta-feira que renovou contrato, por uma temporada, com o jogador Zarabi.

O defesa central integra o plantel azul e amarelo desde a época 2013/2014, tendo iniciado a sua carreira no RC Kouba, da Argélia.

Zarabi representou o Turku da Finlândia por dois anos e passou também pelo Arouca, Leixões, Belenenses e V. Setúbal.

0

Começando pelo passado do Marítimo, ficou desde logo uma ideia em relação à utilização do estádio dos Barreiros, antigamente. “A equipa profissional só podia treinar uma hora e apenas duas vezes por semana, em 1957”, recorda, o presidente do Marítimo, lembrando que a construção do campo da Imaculada Conceição, em Santo António avançou com dinheiro do próprio clube.

“O campo foi feito com valores angariados pelo Marítimo para a construção do estádio da Imaculada Conceição e para o arrelvamento do recinto. Dez anos mais tarde viemos a ser compensados. Fez-se jurisprudência ao Prémio Europa que mais tarde foi retirado. Em 1994/95, aquando da primeira participação numa prova europeia, foi atribuído um prémio para compensar o que tinha sido feito”, recorda, Carlos Pereira.

Sobre o presente, uma garantia: “Temos de ser sérios na abordagem com os outros, porque gerir o que é dos outros para os outros é bem mais fácil. Se errar não perdemos nada mas perdemos todos nós. Temos de olhar sempre para os nossos sócios e trabalhar para eles!”

E para crescer ainda mais, o líder verde-rubro não tem dúvidas do que é necessário. “Quanto mais ecletismo tivermos, trabalharmos na formação e quanto maior lealdade tivermos com a massa associativa e qualidade nas infraestruturas, teremos muito mais para beneficiar, para dar e poder receber.”

O Marítimo movimenta atualmente 3000 atletas em 26 modalidades. Tem 200 profissionais a trabalhar, um colégio com 300 alunos e “único em Portugal.”

OS CORTES CRESCENTES DO GOVERNO REGIONAL

O novo Governo Regional decidiu cortar nos apoios públicos em 10 % para a nova época, mas Carlos Pereira faz questão de lembrar: “Foi retirado este valor e nós somos compreensivos. Preparamo-nos ao longo dos tempos para essa redução e já nos retiraram 60 % dos apoios públicos”, lembra, apontando para o futuro e para o novo estádio do Marítimo.

“O estádio é comercial e vai ter muita atividade. Terá a mesma, ou mais atividade do que o Complexo de Santo António que tem mais de 1000 pessoas por dia a frequentar a instalação. O novo estádio ainda não está concluído mas está a ser pago pelo Marítimo. Curiosamente, quando era velho ninguém queria e agora que está a ficar bonitinho todos querem morar lá dentro!”, conclui.

0

Foi de forma peremptória que Carlos Pereira pôs o dedo na ferida no que toca à relação dos pais com os filhos no que respeita aos escalões de formação.

“Há anos que andamos a lutar para que seja possível que haja um horário escolar desportivo, numa manhã ou numa tarde para termos jovens a trabalhar sem a presença dos pais, que são um atrapalho ao trabalho de formação dos nossos atletas”, criticou, lamentando a situação atual “em que um aluno chega a casa às 22 horas e ainda tem de estudar.”

O presidente do Marítimo diz que o novo secretário da Educação releva abertura para resolver este problema “mas é preciso agir junto dos Conselhos Diretivos.”

Sobre o conceito de utilizador-pagador, o presidente do Marítimo deixou outra crítica aos pais. “No futebol há uma resistência muito grande dos pais que enquanto o filho treina são capazes de beber três cervejas mas depois não têm 10 euros para ele treinar.”